7.1.7. O controlador de interface do computador pessoal a sistema de bordo de autodiagnóstica de OBD II de acordo com protocolos dos padrões SAE (PWM e VPW) e OIS 9141-2


Aos modelos padrão VPW da produção da GM a companhia encontram-se, o padrão PWM - Ford, OIS 9141-2 - modelos asiáticos e europeus.


Dados gerais

O dispositivo considerado representa o microcontrolador executado em KMOP (CMOS) tecnologia.

O controlador não é conexões destinadas a sistemas de bordo da autodiagnóstica da primeira geração (OBD I)!


O dispositivo executa um papel do scanner elementar e destina-se para ler de códigos diagnósticos e dados do OBD II sistema (voltas de motor, temperatura de esfriar líquido e o ar embebido, características de carga, um consumo do ar que vem ao motor, etc.) dentro do padrão de SAE J1979 via o pneumático de qualquer execução (PWM, VPW e OIS 9141-2).

Destino principal

Para a conexão ao computador do arame bastante de 3 arames, a conexão à tomada diagnóstica executa-se por um arame de 6 arames. A voltagem de provisão afasta o controlador via a tomada OBD diagnóstica de 16 contatos. O diagrama esquemático do controlador submete-se em uma ilustração.

Recomendações sobre aplicação

 ORDEM DE REALIZAÇÃO

1. Para a conexão do dispositivo ao carro o fio não protegido, não mais do que 1,2 m de longitude pode usar-se que tem o valor especial usando o protocolo PWM. Usando um fio do comprimento maior é necessário reduzir a resistência de resistores em uma entrada do dispositivo (R8 e R9 ou R15). Usando um fio protegido, a tela deve ser desligada para fins da redução na capacidade.
2. O fio da conexão a um porto serial do computador também pode não proteger-se. O dispositivo firmemente funciona com um fio de até 9 m de longitude. Com o comprimento muito maior de um fio é necessário usar o comunicador mais potente de RS 232.
3. A topologia de conexões elétricas é algum. Na umidade aumentada usam os condensadores de desvio adicionais.
4. O software gratuito (browser) para ler de códigos e dados pode carregar-se dos sites web de produtores ou site web do nosso http://arus.spb.ru que publica casa, e destina-se para o uso abaixo do DOS. O tamanho insignificante de uma aplicação de software na opção "abaixo do DOS" permite acomodá-lo no DOS de disquete de carregamento e usar até nos computadores equipados do software, incompatível com o DOS. Uma condição opcional é até existência no computador da unidade de disco rígido.


Princípios gerais de troca de dados

Se em frente não se estipular especialmente, todos os números dão-se em um formato 16-richny (bruxa).


O formato decimal indica-se pela etiqueta de dezembro.

A troca de dados vai à conexão consecutiva de três arames, sem a aplicação da troca initsializatsionny de mensagens de escritório (handshaking). O dispositivo ouve secretamente o canal na existência de mensagens, realiza as ordens aceitas e transfere resultados para o computador pessoal (PC) então imediatamente volta ao modo de escuta. Os dados que entram no controlador e provêm dele organizam-se na forma de uma cadeia dos bytes que vão constantemente um após o outro, primeiro dos quais é controle. Normalmente o byte de controle representa o número de 0 até o dia 15 de dezembro (ou bruxa de 0-f) descrição do número dos bytes de informação depois além disso. Deste modo, por exemplo, a equipe de 3 bytes olhará como se segue: 03 (controlam o byte), o 1o byte, o 2o byte, o 3o byte. O formato semelhante usa-se quanto às equipes entram na pesquisa de opinião pública do sistema de bordo da autodiagnóstica, e para as mensagens de saída que contêm a informação solicitada. É necessário notar que no byte de controle só quatro bits mais jovens se usam, - os bits seniores reservam-se abaixo de algumas equipes especiais e PC na inicialização da conexão com o controlador e a coordenação do protocolo da transmissão de dados pode usar-se, e também o controlador do controle de erros da transferência. Especialmente, em caso de um erro por transferência, o controlador faz a instalação do (MSB) de bit de significação sênior do byte de controle na unidade. Pela transferência bem sucedida os quatro bits seniores estabelecem-se no zero.

Há exceções separadas às regras do uso do byte de controle.


Inicialização do controlador e sistema de bordo de autodiagnóstica

Começar a troca de dados do PC tem de fazer a instalação da conexão com o controlador, logo inicializar o controlador e o canal de dados de OBD II.

Instalação de conexão

Depois da conexão do controlador ao PC e a tomada OBD diagnóstica a sua inicialização para fins da prevenção dos "atrasos" unidos com o barulho em linhas consecutivas tem de fazer-se em caso de que a sua conexão se fez antes da inclusão da provisão de poder do controlador. O controle mais simples da atividade da interface realiza-se ao mesmo tempo. Em primeiro lugar o sinal de um byte de 20 (bruxa) percebida pelo controlador como a ordem da instalação de conexão envia-se. Em resposta o controlador em vez do controle envia o único byte da bruxa de FF (255 dezembro) e passa em um modo de espera da recepção de dados. Agora o PC pode passar à inicialização do canal de dados.

 Este caso é um de poucos quando o controlador não usa o byte de controle.


Inicialização

Nesta inicialização de etapa do protocolo de acordo com o qual a troca de dados se fará, e em caso do protocolo de OIS – a inicialização do sistema de bordo faz-se. A troca de dados faz-se em um de três protocolos: VPW (General Motors), PWM (Ford) e OIS 9141-02 (produtores asiáticos/Europeus). Observação: há grupo de exceções: assim, por exemplo, no momento da pesquisa de opinião pública de alguns modelos dos carros de Mazda o protocolo de Ford PWM pode usar-se. Assim, no momento da emergência de problemas da transferência é necessário em primeiro lugar tentar usar qualquer outro protocolo. A escolha do protocolo faz-se por transferência da combinação composta do byte de controle 41 (16-richn). e o byte que define tipo de protocolo depois de diretamente ele: 0 = VPW, 1 = PWM, 2 = OIS 9141. Deste modo, por exemplo, na equipe 41 (bruxa) 02 (bruxa) inicialização da OIS 9.141 protocolo faz-se.

Em resposta o controlador envia o byte de controle e o byte de um estado. A instalação MSB do byte de controle fala da existência de problemas, ao mesmo tempo o byte de um estado depois dele conterá a informação relevante. Na inicialização bem sucedida o byte de controle de 01 (bruxa) que indica que o byte de verificação de um estado segue além disso envia-se. Em caso do VPW e protocolos PWM o byte de verificação representa um eco simples do byte da escolha do protocolo (0 ou 1, respectivamente), na inicialização da OIS 9.141 protocolo será a chave digital devolvida pelo processador OBD de bordo e definição o que de duas versões do protocolo que se diferenciam ligeiramente um de outro se usará.

 A chave digital tem puramente a nomeação de informação.


É necessário notar que a inicialização do VPW e protocolos PWM acontece muito mais rápida como exigências só a transferência da informação relevante ao controlador. Na reunião de modelos OIS, a inicialização toma aproximadamente 5 segundos passados para a troca do controlador da informação com o processador de bordo feito com uma velocidade de 5 bauds. É necessário chamar a atenção do leitor que em alguns modelos de carros da família de OIS 9.141 inicialização do protocolo para se o pedido na questão de dados não se transferir durante um intervalo de 5 segundos, - disse a meios que o PC tem de fazer a entrega automática de interrogações cada vários segundos, até no modo único.

Depois de instalação da conexão e inicialização do protocolo a troca de dados regular, composta das interrogações que chegam do PC e as respostas emitidas pelo controlador começa.

Os dados trocam a ordem

O funcionamento do controlador usando protocolos da OIS 9141-2 e família SAE (VPW e PWM) acontece segundo pequenos vários cenários.

Troca de acordo com os protocolos SAE (VPW e PWM)

Durante a troca de dados de acordo com estes protocolos há armazenar em buffer de só um tiro de dados que significam a necessidade de uma especificação sujeita a captura ou regresso de um tiro. O processador de bordo pode transferir os pacotes que se compõem mais do que de um tiro em alguns (raros) casos. Em tal situação a interrogação tem de repetir-se até que todos os tiros de um pacote não se aceitem.
A interrogação sempre se forma como se segue: [Byte de controle], [Interrogação segundo o padrão SAE], [Número de um tiro]. Como já se acima mencionou, o byte de controle normalmente representa o número igual ao número cheio dos seguintes bytes atrás dele. A interrogação decifra-se segundo o SAE J1950 e as Especificações J1979 e compõe-se de encabeçar (3 bytes), a sequência de bytes de informação e byte do controle de um erro (CRC). Vamos notar que enquanto a informação sobre a interrogação se forma na complacência estrita com as Especificações SAE, um consumidor do byte de controle e o número de um tiro são o pedaço de interface.

No momento de uma realização bem sucedida do procedimento a mensagem de resposta sempre tem o seguinte formato: [Byte de controle], [A resposta segundo o padrão SAE]. O byte de controle, bem como antes, define o número dos bytes de informação depois dele. A resposta segundo as exigências do padrão SAE compõe-se de encabeçar (3 bytes), uma cadeia de bytes de informação e byte de CRC.

No momento do fracasso a mensagem de resposta de 2 bytes envia-se: [Byte de controle], [byte estatal]. Ao mesmo tempo no byte de controle a instalação MSB faz-se. Quatro bits mais jovens formam o número 001 que demonstra que o controle se segue do único byte - byte estatal. Esta situação um tanto muitas vezes pode surgir como as Especificações permitem uma possibilidade de uma falta da distribuição o processador de bordo de dados, e também a transferência de dados incorretos em caso de que a interrogação não se conforma com o padrão apoiado por produtores do carro. Também a situação quando os dados necessários se ausentam na memória de acesso casual do processador do tempo no momento atual é possível. Quando o pedaço não recebe a resposta esperada ou obtém os dados danificados, a instalação MSB do byte de controle faz-se, e depois do controle que o byte estatal se dá.

Em choques no pneumático a interface desenvolve o único byte de 40 (bruxa) que é o byte de controle com o bit mais jovem anulado. A situação semelhante um tanto muitas vezes pode surgir carregando umas mensagens de pneumático dos carros de mais alto do que em dados diagnósticos de uma prioridade, - o computador tem de repetir a interrogação inicial.

Troca sob a OIS 9141-2 protocolos

OIS 9141-2 usa-se pela maioria de produtores asiáticos e europeus de transportes automóveis. A estrutura do PC formado da interrogação um pouco no que se diferencia do usado nos padrões SAE com só que a diferença que o pedaço não precisa da informação sobre o número de um tiro e a informação relevante não deve estar presente a um pacote. Assim, a interrogação sempre se compõe do byte de controle e a cadeia dos bytes de informação inclusive a soma de controle depois dele. Como a mensagem de resposta o pedaço somente retransmite os sinais criados pelo processador de bordo. O byte de controle na mensagem de resposta, por isso, ausenta-se o PC percebe a informação que chega continuamente até que a cadeia não se interrompa pela pausa reportagem de 55 milissegundos de longitude sobre o fim do pacote de informação. Assim, a mensagem de resposta pode compor-se de um ou vários tiros segundo as exigências das especificações SAE J1979. O pedaço não faz a análise de tiros, não rejeita não tiros diagnósticos, etc. O PC tem de fazer pelo próprio processamento de forças dos dados chegam com o objetivo da exarticulação de tiros separados pela análise de encabeçar bytes.

 As respostas à maioria de interrogações compõem-se do único tiro.


As modificações fazem-se nos controladores de interface da versão latests

As diferenças principais do processo da transmissão de dados abaixo do SAE e OIS 9.141 protocolos, característica dos controladores de interface da versão latests, e também uma ordem de transmissão de dados sob a OIS 14.230 protocolo se dão abaixo:

1) OIS 9141: O byte de endereço acrescenta-se;
2) OIS 9141: Volte não de um, mas ambos os bytes-chave executa-se; (o byte adicional também volta nos modos SAE, contudo aqui não se usa).
3) O suporte da OIS 14.230 protocolo acrescenta-se.

Todos os bytes de informação transferem-se em um formato 16-richny.

O símbolo XX significa o byte incerto, reservado ou desconhecido.


Instalação de conexão

A ordem da instalação da conexão não se modificou:

Envio: 20
Recepção: FF

Escolha do protocolo

VPW:
Envio: 41, 00
Recepção: 02, 01, XX
PWM:
Envio: 41, 01
Recepção: 02, 01, XX
OIS 9141:
Envio: 42, 02, adr, onde: os adr - dirigem o byte (normalmente 33 bruxa)
Recepção: 02, K1, K2, onde K1,
K2 - bytes-chave de OIS
Ou: 82, XX, XX (erro de inicialização de OIS 9141)
OIS 14230 (bystry inicialização):
Envio: 46, 03, R1, R2, R3, R4, R5, onde: R1 ÷ R5 - a mensagem no começo de pedido de OIS 14230 em instalação de conexão, normalmente R1 ÷ R5 = C1, 33, F1, 81, 66
Recepção: S1, S2, … … … - mensagens no começo da resposta de OIS 14230 a instalação de conexão

Mais de um ECU pode transferir-se constantemente. Como a resposta o código negativo da resposta pode usar-se.

A resposta afirmativa típica olha como se segue:

S1, S2, … …. = 83, F1, 10, S1, E9, 8F, BD
OIS 14230 (reduzem a velocidade da inicialização):
Semelhante a OIS 9141

Observação e comentários

Se o uso do controlador da transmissão de dados só em algum a cada um se planejar ou a dois de protocolos, os componentes excessivos podem excluir-se (ver o esquema). Por exemplo, na organização do esquema abaixo do VPW (GM) protocolo em um arame da conexão do controlador ao carro só três veias de uma instalação elétrica (tapam 16, 5 e 2) vão se necessitar.

Se o protocolo PWM não se usar, o R4, R6, R7, R8, R9, R10, T1, T2 e os elementos D1 podem excluir-se.

Na recusa da troca de acordo com o protocolo de OIS os elementos são sujeitos a uma exceção: R15, R16, R17, R18, R19, R21, T4 e T5.

A recusa do uso do protocolo VPW permite excluir os seguintes elementos: R13, R14, R23, R24, D2, D3 e T3.

O carvão e os resistores de filme com a admissão de 5 por cento da resistência usam-se.

Preste atenção à falta do botão da recomposição de emergência (RECOMPOSIÇÃO), em caso da necessidade que tal recomposição pode fazer-se por um desinteresse de controlador da tomada automobilística (a recomposição do processador de interface acontecerá automaticamente). O reinício do software no PC leva à nova inicialização da interface.